Amuleto (Roberto Bolaño)

Hahá! Consegui mudar a foto no layout do blog.

Prometo colocar outra um pouquinho melhor em breve mas, provisoriamente, deixemos que essa bonitinha dê uma dica sobre o conteúdo principal (e único, talvez) deste blog. Achei essa foto no meu computador e, infelizmente, é a única que tem a ver com livros. Aquela mão é minha e o exemplar eu não lembro qual é. Mas é bem provável que seja um de Linguística que faziam a gente ler no 1o semestre da faculdade.

Pensei em tirar uma foto da minha estante, mentira!, porque não tenho uma estante. Meus livros se empilham no chão do quarto e em cima da mesa do computador. Mais dia menos dia morrerei soterrada — porém, feliz.

Vamos então ao que interessa:
Tenho Amuleto, do chileno Roberto Bolaño, desde o ano passado e — pra variar — só agora consegui ler. Até pouco tempo reclamava que não conseguia conciliar os trabalhos da faculdade e da pesquisa com as demais leituras porque era teimosa mesmo. Agora, dedico meus (poucos) intervalos e momentos livres à leitura dos livros que acumulavam pó e formavam pilhas gigantes no meu quarto — sempre com a promessa de uma leitura futura. Percebi, então, que alguns livros conseguem ser lidos em 2 ou 3 dias como é o caso de Amuleto.

E não é só porque o livro possui (apenas) 154 páginas e uma diagramação que preserva os olhos calejados de quem sofre de miopia, astigmatismo e um cérebro cansado, mas sim, porque parece que a narradora (e personagem principal) é alguém que sentou do meu lado no ônibus e contou uma história mirabolante sobre como ficou presa no banheiro do prédio da Faculdade de Filosofia e Letras na Unam (Cidade do México – DF) de 1968. Lógico que eu adoro as pessoas como a uruguaia Auxilio Lacouturre que sentam do meu lado no ônibus e puxam conversa.

Minha parte favorita?

Los médicos me miraban desde arriba, con sus verdes tapabocas de bandidos, y decían que no mientras la camilla iba cada vez más rápida por un pasillo que viboreava como una vena fuera del cuerpo. ¿De verdad no voy a tener un hijo? ¿No estoy embarazada?, les preguntaba. Y los médicos me miraban y decían no, señora, sólo la llevamos para que asista al parto de la Historia. (BOLAÑO, 2009: 128)

Outra coisa: não comprei o livro por influências internas anteriores. Adquiri porque fiquei absurdamente intrigada com o fato de que um autor latino-americano (homem) tenha escrito sob o ponto de vista de uma personagem feminina. E que, além disso, faça da narradora-e-personagem-principal a “mãe da poesia mexicana”. Penso muito sobre isso, agora que terminei de ler o romance porque confesso que não decifrei todas as metáforas ou alegorias contidas nele (se é que há alguma, se é que o autor pretendia alguma coisa, mas me agrada pensar que sim e que ainda há muito a ser refletido acerca deste livro).

Portanto, inicio agora uma campanha: gostaria de saber dos meus leitores (eu sei que vocês existem!) se vocês têm conhecimento de outros livros que sigam o mesmo modelo: escritor homem que escreve sob a voz narrativa de uma mulher, isto é, que narre em primeira pessoa como uma mulher.

Por favor, sintam-se livres para contribuir com minha lista de leituras! :)

Edição: BOLAÑO, Roberto. Amuleto. Barcelona: Anagrama, 2009.


Fiquei com preguiça de scanear a capa do meu exemplar.

Então, resolvi abrilhantar este post com uma ilustração lindinha do Vital Lordelo.

5 thoughts on “Amuleto (Roberto Bolaño)

  1. Amanda! Eu gostei muito de Amuleto. Li a versão em Português, mas fiquei impactada com a Auxilio e aquele sorriso tímido, sem dentes :) Tenho te lido aqui.

    beijocas

    • Bem pontuado! o que eu gosto no Atonement também é a diferença de narrativa das 4 partes. A última (reveladora da voz narrativa do romance) tem um tom completamente confessional, diferente do tom “descritivo” das três anteriores.

      (não sei por que diabos tinha escrito aquele comentário anterior aqui… havia esquecido completamente da singularidade narrativa do Atonement)!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s