Antes de nascer o mundo (Mia Couto)

No próximo sábado, dia 13 de agosto, acontecerá a quarta edição do Clube do Livro Penguin + Companhia das Letras na Livraria Cultura do Shopping Bourbon Country (Porto Alegre). O encontro será das 16h às 17h, no auditório da livraria, e o romance escolhido para a discussão é o Antes de nascer o mundo, do escritor moçambicano Mia Couto.

 *          *          *

O  texto de hoje foi escrito em forma de itens porque quis elencar as razões pelas quais considero Antes de nascer o mundo um romance perfeito:

 1. O enredo, apresenta-se difuso no início, porém, o romance termina com perfeição, superando todas as minhas expectativas;

 2. A narrativa de Mia Couto é leve e a prosa é poética, de uma beleza semelhante à prosa de Guimarães Rosa;

 3. O romance mostra dois tipos de conflitos, o interno e o externo. Interno, de Silvestre consigo mesmo, consigo e com sua loucura, e o externo, dele com sua família e da  tribo com o restante do mundo. Jerusalém, terra prometida, é o delírio do pai materializado em busca de isolamento do restante do mundo. O trauma do velho influencia na percepção de realidade do filho Mwanito pois ele insiste na negação da identidade pela negação da memória.

 4. Diferentemente do que é informado na orelha do livro,  considerei o livro “engajado” sim. Pois o mesmo pinta, o tempo todo, e desde o início, as mazelas de Moçambique. Talvez o que o autor da orelha queira dizer é que Mia Couto não faz reivindicações explícitas em seu texto. Como se um texto precisasse mostrar explicitamente algo para ser “ideológico” (Oi? Todo romance é ideológico…) ou “engajado”. É sublime a maneira como o autor trabalha a situação das mulheres em Moçambique e da situação crítica que é a AIDS naquele continente. Não é necessário levantar bandeira com estardalhaço para tratar de determinados assuntos em um romance.

 5. O romance todo é sobre a mulher. Não apenas em termos da narrativa, do enredo e das personagens (que encerram o ciclo narrativo). Mas também com relação à voz narrativa: Mia Couto dá voz às suas personagens femininas.

 6. Por fim, Antes de nascer o mundo é o tipo de livro que me faz ter inveja de escritores como Mia Couto. Inveja das imagens criadas pelo autor, dos personagens construídos, da trama que se encerra perfeitamente, da linguagem simples, sutil e ao mesmo tempo riquíssima desse escritor contemporâneo. Queria que os escritores de língua portuguesa fossem mais como ele. Aliás, queria eu ser um pouco assim também.

Boa leitura!

Edição:

COUTO, Mia. Antes de nascer o mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2009.